terça-feira, 6 de junho de 2017

Prefeito de Serra Negra do Norte já pode pedir música no Fantástico...















Quem faz 3 pede música...

O Ministério Público abriu mais um inquérito contra o prefeito Sérginho(PSDB) de Serra Negra do Norte (RN). Agora, o promotor quer saber o porquê de fazer uma licitação de quase R$ 100 mil reais apenas pra estrutura de eventos (som, tendas, banheiros), divulgação em carro de som e produção de vinhetas, sendo que o MP vem recebendo várias reclamações sobre a falta de medicamentos e sobre o carro-pipa que está parado e não foi consertado ainda.

Com essa denúncia já chega a três o número de inquéritos contra o prefeito tucano.

A primeira, no mês passado, o Juiz de Direito da comarca de Serra Negra do Norte, Adriano da Silva Araújo, deferiu pedido de liminar em ação cautelar ajuizada pelo Ministério Público Estadual, determinando a suspensão imediata de procedimento licitatório realizado pelo município para a contratação de serviços de transporte. Na ação que foi ajuizada pelo MPRN, através da promotoria de Justiça local, após constatar indícios de fraude bem como materialidade e autoria do crime de falsidade ideológica, além de falhas no Termo de Referência que justificou a licitação cuja sessão pública foi realizada no último dia 15 de maio de 2017.

Na segunda ação, em um intervalo de menos de um mês, o Ministério Público, por intermédio da promotoria de Justiça de Serra Negra do Norte, instaurou inquérito civil para apurar possíveis atos de violação ao princípio constitucional da impessoalidade cometidos por agentes do município e expediu eecomendação ao prefeito para que sejam retiradas todas as fotos e imagens de gestores e vereadores da página do Executivo municipal na internet e redes sociais oficiais.

Na Recomendação, o MPRN informou que em consulta ao site oficial da Prefeitura de Serra Negra do Norte (www.serranegra.rn.gov.br) constatou a exposição de várias fotos ou imagens do prefeito, secretários e vereadores, nos últimos meses, inclusive, fotos ou imagens sem qualquer correlação com o interesse público.

Nenhum comentário:

Postar um comentário